Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
B
Pacto com líder islâmico evidencia que o papa trabalha por uma religião única, aponta escritor
13/02/2019 11:16 em gospel

Um acordo assinado por dois líderes religiosos de grande representatividade foi firmado em Abu Dhabi, com grande silêncio por parte da grande mídia em relação ao assunto. O papa Francisco e o imã Ahmed al-Tayeb revelaram um “pacto de fraternidade religiosa” a título de combater a intolerância e integração entre os povos.

Al-Tayeb é considerado o mais importante imã do islamismo entre os sunitas. Ele surgiu no encontro ao lado do líder católico “de mãos dadas em um símbolo de fraternidade inter-religiosa”

O escritor Michael Snyder produziu um artigo sobre o episódio para o portal da revista pentecostal Charisma News pontuando que o gesto não foi apenas uma cerimônia para católicos e muçulmanos, e citou uma fonte de notícias britânica para classificar a assinatura deste pacto como o primeiro passo para inspirar a “audiência global de líderes religiosos do cristianismo, islamismo, judaísmo e outras religiões”.

“Em outras palavras, houve um esforço conjunto para garantir que todas as religiões do mundo estivessem representadas nesse encontro”, pontuou Snyder.

As conclusões do escritor foram formadas a partir da observação de indícios que corroboram essa visão. O site oficial do Vaticano informou que uma preparação minuciosa foi feita para a elaboração deste documento, que incentiva os adeptos de todas as religiões a “apertar as mãos, abraçar um ao outro, beijar uns aos outros e até fazer preces” uns com os outros.

“O documento, assinado pelo papa Francisco e pelo grande imã de al-Azhar, Ahmed el-Tayeb, foi preparado ‘com muita reflexão e oração’, disse o papa. O único grande perigo neste momento, continuou ele, é ‘destruição, guerra, ódio entre nós’”, destaca a página da Santa Sé, que adjetiva o pacto como “um documento nascido da fé em Deus”.

“Se nós crentes não formos capazes de apertar as mãos, nos abraçarmos, nos beijarmos e até orarmos, nossa fé será derrotada”, disse o papa, acrescentando que “Deus, que é o Pai de todos e o Pai da paz; condena toda a destruição, todo o terrorismo, desde o primeiro terrorismo da história, o de Caim”.

Snyder destaca que “há muita linguagem sobre a paz neste documento, mas vai muito além de apenas advogar pela paz”, pois a palavra “Deus” é usada para identificar simultaneamente Alá e o Deus da Trindade, pregado pelo cristianismo.

Um exemplo do que denuncia o escritor está num trecho do texto do pacto: “Nós, que acreditamos em Deus e no encontro final com Ele e Seu julgamento, com base em nossa responsabilidade religiosa e moral, e através deste documento, chamamos a nós mesmos, sobre os líderes do mundo, bem como os arquitetos da política internacional e a economia mundial, para trabalhar tenazmente para disseminar a cultura da tolerância e de viver juntos em paz; intervir na primeira oportunidade para parar o derramamento de sangue inocente e pôr fim às guerras, conflitos, decadência ambiental e ao declínio moral e cultural que o mundo está experimentando atualmente”.

A compreensão de que o Deus da Bíblia Sagrada é o mesmo apresentado no Corão não é nova, embora classificada como heresia pelos principais apologistas cristãos. A definição mais comum para essa tentativa de conciliação do cristianismo com o islamismo (que nega a divindade de Jesus Cristo) é “crislamismo” (ou “chrislam“, em inglês).

No artigo que analisa o pacto, Michael Snyder comenta que o texto “corajosamente” declara que “a diversidade de religiões” existente foi “desejada por Deus”. O escritor repudia tal especulação: “Em essência, isso está dizendo que é a vontade de Deus que existam centenas de religiões diferentes no mundo e que elas sejam todas aceitáveis à Sua vista. Sabemos que a elite [política] quer uma religião mundial, mas ver os clérigos mais importantes, tanto do catolicismo quanto do islamismo, fazendo um esforço público tão dramático para isso é absolutamente impressionante”.

Confira a íntegra do texto que delineia o pacto assinado pelo líder católico com um dos líderes islâmicos, publicado no site oficial do Vaticano:

Introdução
A fé leva um crente a ver no outro um irmão ou irmã a ser apoiado e amado. Pela fé em Deus, que criou o universo, criaturas e todos os seres humanos (iguais por sua misericórdia), os crentes são chamados a expressar essa fraternidade humana salvaguardando a criação e o universo inteiro e apoiando todas as pessoas, especialmente as mais pobres e mais necessitado.
Este valor transcendental serviu como ponto de partida para várias reuniões caracterizadas por um ambiente amistoso e fraterno, onde compartilhamos as alegrias, tristezas e problemas do nosso mundo contemporâneo. Fizemos isso considerando o progresso científico e técnico, as conquistas terapêuticas, a era digital, os meios de comunicação de massa e as comunicações. Também refletimos sobre o nível de pobreza, conflito e sofrimento de tantos irmãos e irmãs em diferentes partes do mundo como conseqüência da corrida armamentista, injustiça social, corrupção, desigualdade, declínio moral, terrorismo, discriminação, extremismo e muitos outros. causas.
De nossas fraternas e abertas discussões e do encontro que expressou profunda esperança em um futuro brilhante para todos os seres humanos, concebeu-se a idéia deste documento sobre a Fraternidade Humana . É um texto que foi dado pensamento honesto e sério, de modo a ser uma declaração conjunta de boas e sinceras aspirações. É um documento que convida todas as pessoas que têm fé em Deus e fé na fraternidade humana a se unirem e trabalharem juntas para que sirvam de guia para as futuras gerações, a fim de promover uma cultura de respeito mútuo na consciência da grande graça divina. faz todos os seres humanos irmãos e irmãs.

Documento
Em nome de Deus que criou todos os seres humanos iguais em direitos, deveres e dignidade, e que os chamou a viver juntos como irmãos e irmãs, para encher a terra e dar a conhecer os valores da bondade, amor e paz;
Em nome da vida humana inocente que Deus proibiu matar, afirmando que quem mata uma pessoa é como alguém que mata toda a humanidade, e quem salva uma pessoa é como alguém que salva toda a humanidade;
Em nome dos pobres, dos destituídos, dos marginalizados e dos mais necessitados, a quem Deus nos ordenou que ajudássemos como dever requerido de todas as pessoas, especialmente dos ricos e dos meios;
Em nome de órfãos, viúvas, refugiados e exilados de suas casas e seus países; em nome de todas as vítimas de guerras, perseguição e injustiça; em nome dos fracos, daqueles que vivem com medo, prisioneiros de guerra e torturados em qualquer parte do mundo, sem distinção;
Em nome dos povos que perderam a segurança, a paz e a possibilidade de viverem juntos, tornando-se vítimas de destruição, calamidade e guerra;
Em nome da fraternidade humana que abrange todos os seres humanos, une-os e os torna iguais;
Em nome dessa fraternidade dilacerada por políticas de extremismo e divisão, por sistemas de lucro desenfreado ou por tendências ideológicas odiosas que manipulam as ações e o futuro de homens e mulheres;
Em nome da liberdade, que Deus deu a todos os seres humanos, criando-os livres e distinguindo-os por esse dom;
Em nome da justiça e da misericórdia, as fundações da prosperidade e a pedra angular da fé;
Em nome de todas as pessoas de boa vontade presentes em todas as partes do mundo;
Em nome de Deus e de tudo declarado até agora, Al-Azhar al-Sharif e os muçulmanos do Oriente e do Ocidente, juntamente com a Igreja Católica e os católicos do Oriente e do Ocidente, declaram a adoção de uma cultura de diálogo como o caminho, a cooperação mútua como o código de conduta, a compreensão recíproca como método e padrão.
Nós, que acreditamos em Deus e no encontro final com Ele e com o Seu julgamento, com base na nossa responsabilidade religiosa e moral, e através deste documento, apelamos para nós mesmos, sobre os líderes do mundo, bem como sobre os arquitetos da política internacional. e a economia mundial, para trabalhar tenazmente para disseminar a cultura da tolerância e de viver juntos em paz; intervir na primeira oportunidade para parar o derramamento de sangue inocente e pôr fim às guerras, conflitos, decadência ambiental e ao declínio moral e cultural que o mundo está experimentando atualmente.
Convocamos intelectuais, filósofos, figuras religiosas, artistas, profissionais da mídia e homens e mulheres de cultura em todas as partes do mundo a redescobrir os valores da paz, justiça, bondade, beleza, fraternidade humana e coexistência, a fim de confirmar a importância. desses valores como âncoras de salvação para todos e para promovê-los em todos os lugares.
Esta declaração, partindo de uma profunda consideração de nossa realidade contemporânea, valorizando seus êxitos e solidária com seus sofrimentos, desastres e calamidades, acredita firmemente que entre as causas mais importantes das crises do mundo moderno está uma consciência humana dessensibilizada, distanciamento dos valores religiosos e um individualismo prevalecente acompanhado de filosofias materialistas que deificam a pessoa humana e introduzem valores materiais e mundanos em lugar de princípios supremos e transcendentais.
Embora reconhecendo os passos positivos dados pela nossa civilização moderna nos campos da ciência, tecnologia, medicina, indústria e bem-estar, especialmente nos países desenvolvidos, desejamos enfatizar que, associados a tais avanços históricos, grandes e valorizados, existem tanto uma deterioração moral que influencia a ação internacional quanto um enfraquecimento dos valores e responsabilidades espirituais. Tudo isso contribui para um sentimento geral de frustração, isolamento e desespero, levando muitos a cair em um vórtice de extremismo ateístico, agnóstico ou religioso, ou em extremismo cego e fanático, que acaba por encorajar formas de dependência e autodestruição individual ou coletiva.
A história mostra que o extremismo religioso, o extremismo nacional e também a intolerância produziram no mundo, seja no Oriente ou no Ocidente, o que pode ser referido como sinais de uma “terceira guerra mundial sendo travada aos poucos”. Em várias partes do mundo e em muitas circunstâncias trágicas, esses sinais começaram a ser dolorosamente aparentes, como naquelas situações em que o número exato de vítimas, viúvas e órfãos é desconhecido. Vemos, além disso, outras regiões se preparando para se tornarem teatros de novos conflitos, com surtos de tensão e construção de armas e munições, e tudo isso em um contexto global ofuscado pela incerteza, desilusão, medo do futuro e controle por interesses econômicos tacanhos.
Afirmamos também que grandes crises políticas, situações de injustiça e falta de distribuição equitativa dos recursos naturais – das quais apenas uma minoria rica se beneficia, em detrimento da maioria dos povos da terra – geraram e continuam a gerar vastos número de pessoas pobres, enfermas e mortas. Isso leva a crises catastróficas das quais vários países foram vítimas, apesar de seus recursos naturais e da desenvoltura dos jovens que caracterizam essas nações. Diante de crises que resultam na morte de milhões de crianças – desperdiçadas da pobreza e da fome -, há um silêncio inaceitável no plano internacional.
É claro, neste contexto, como a família como núcleo fundamental da sociedade e da humanidade é essencial para trazer as crianças ao mundo, educando-as, educando-as e proporcionando-lhes sólida formação moral e segurança interna. Atacar a instituição da família, considerá-la com desprezo ou duvidar de seu importante papel, é um dos males mais ameaçadores de nossa época.
Afirmamos também a importância de despertar a consciência religiosa e a necessidade de reavivar esta consciência nos corações das novas gerações através de uma educação sólida e uma adesão aos valores morais e ensinamentos religiosos íntegros. Desta forma, podemos confrontar tendências que são individualistas, egoístas, conflitantes e também abordar o radicalismo e o extremismo cego em todas as suas formas e expressões.
O primeiro e mais importante objetivo das religiões é acreditar em Deus, honrá-lo e convidar todos os homens e mulheres a acreditarem que esse universo depende de um Deus que o governa. Ele é o Criador que nos formou com Sua sabedoria divina e nos concedeu o dom da vida para protegê-lo. É um presente que ninguém tem o direito de tirar, ameaçar ou manipular para se adequar. De fato, todos devem salvaguardar esse dom da vida desde o começo até o seu fim natural. Portanto, condenamos todas as práticas que são uma ameaça à vida, como genocídio, atos de terrorismo, deslocamento forçado, tráfico de pessoas, aborto e eutanásia. Da mesma forma, condenamos as políticas que promovem essas práticas.
Além disso, declaramos resolutamente que as religiões nunca devem incitar a guerra, atitudes de ódio, hostilidade e extremismo, nem devem incitar à violência ou ao derramamento de sangue. Essas realidades trágicas são a consequência de um desvio dos ensinamentos religiosos. Elas resultam de uma manipulação política das religiões e de interpretações feitas por grupos religiosos que, no curso da história, tiraram proveito do poder do sentimento religioso nos corações de homens e mulheres para fazê-los agir de uma maneira que nada a ver com a verdade da religião. Isso é feito com o objetivo de alcançar objetivos políticos, econômicos, mundanos e míopes. Assim, pedimos a todos os interessados que parem de usar as religiões para incitar o ódio, a violência, o extremismo e o fanatismo cego, e que se abstenham de usar o nome de Deus para justificar os atos de assassinato, exílio, terrorismo e opressão. Perguntamos isso com base em nossa crença comum em Deus, que não criou homens e mulheres para serem mortos ou para lutar uns contra os outros, nem para serem torturados ou humilhados em suas vidas e circunstâncias. Deus, o Todo-Poderoso, não precisa ser defendido por ninguém e não quer que Seu nome seja usado para aterrorizar as pessoas.
Este documento, de acordo com documentos internacionais anteriores que enfatizaram a importância do papel das religiões na construção da paz mundial, defende o seguinte:
– A firme convicção de que os ensinamentos autênticos das religiões nos convidam a permanecer enraizados nos valores da paz; defender os valores da compreensão mútua, da fraternidade humana e da convivência harmoniosa; restabelecer a sabedoria, a justiça e o amor; e para despertar a consciência religiosa entre os jovens para que as gerações futuras possam ser protegidas do reino do pensamento materialista e de políticas perigosas de ganância e indiferença desenfreadas baseadas na lei da força e não na força da lei;
– Liberdade é um direito de toda pessoa; cada indivíduo desfruta da liberdade de crença, pensamento, expressão e ação. O pluralismo e a diversidade de religiões, cor, sexo, raça e linguagem são determinados por Deus em Sua sabedoria, através da qual Ele criou os seres humanos. Esta sabedoria divina é a fonte da qual deriva o direito à liberdade de crença e a liberdade de ser diferente. Portanto, o fato de as pessoas serem obrigadas a aderir a uma determinada religião ou cultura deve ser rejeitado, assim como a imposição de um modo de vida cultural que os outros não aceitam;
– Justiça baseada na misericórdia é o caminho a seguir para alcançar uma vida digna à qual todo ser humano tem direito;
– O diálogo, a compreensão e a promoção generalizada de uma cultura de tolerância, aceitação dos outros e de convivência pacífica contribuiriam significativamente para reduzir muitos problemas econômicos, sociais, políticos e ambientais que pesam tanto sobre uma grande parte da humanidade;
– O diálogo entre os crentes significa reunir-se no vasto espaço dos valores espirituais, humanos e sociais compartilhados e, a partir daqui, transmitir as mais altas virtudes morais que as religiões almejam. Isso também significa evitar discussões improdutivas;
– A proteção de lugares de culto – sinagogas, igrejas e mesquitas – é um dever garantido por religiões, valores humanos, leis e acordos internacionais. Toda tentativa de atacar locais de culto ou ameaçá-los por violentos ataques, bombas ou destruição, é um desvio dos ensinamentos das religiões, bem como uma clara violação do direito internacional;
– O terrorismo é deplorável e ameaça a segurança das pessoas, seja no Oriente ou no Ocidente, no Norte ou no Sul, e dissemina pânico, terror e pessimismo, mas isso não se deve à religião, mesmo quando os terroristas a instrumentalizam. Deve-se, antes, ao acúmulo de interpretações incorretas de textos religiosos e a políticas ligadas à fome, pobreza, injustiça, opressão e orgulho. É por isso que é tão necessário parar de apoiar os movimentos terroristas alimentados pelo financiamento, o fornecimento de armas e estratégia e por tentativas de justificar esses movimentos, mesmo usando a mídia. Todos estes devem ser considerados crimes internacionais que ameaçam a segurança e a paz mundial. Tal terrorismo deve ser condenado em todas as suas formas e expressões;
– O conceito de “cidadania” é baseado na igualdade de direitos e deveres, sob os quais todos gozam de justiça. Portanto, é crucial estabelecer em nossas sociedades o conceito de “cidadania plena” e rejeitar o uso discriminatório do termo “minorias”, que gera sentimentos de isolamento e inferioridade. Seu mau uso prepara o caminho para hostilidade e discórdia; desfaz quaisquer sucessos e tira os direitos civis e religiosos de alguns cidadãos que são assim discriminados;
– Boas relações entre o Oriente e o Ocidente são indiscutivelmente necessárias para ambos. Eles não devem ser negligenciados, para que cada um possa ser enriquecido pela cultura do outro através de uma troca frutífera e diálogo. O Ocidente pode descobrir no Oriente remédios para aqueles males espirituais e religiosos que são causados por um materialismo predominante. E o Oriente pode encontrar no Ocidente muitos elementos que podem ajudar a libertá-lo da fraqueza, divisão, conflito e declínio científico, técnico e cultural. É importante prestar atenção às diferenças religiosas, culturais e históricas que são um componente vital na formação do caráter, cultura e civilização do Oriente. É igualmente importante reforçar o vínculo dos direitos humanos fundamentais, a fim de ajudar a garantir uma vida digna para todos os homens e mulheres do Oriente e do Ocidente, evitando as políticas de duplo padrão;
– É um requisito essencial reconhecer o direito das mulheres à educação e ao emprego e reconhecer sua liberdade de exercer seus próprios direitos políticos. Além disso, devem ser feitos esforços para libertar as mulheres do condicionamento histórico e social que contraria os princípios de sua fé e dignidade. Também é necessário proteger as mulheres da exploração sexual e de serem tratadas como mercadorias ou objetos de prazer ou ganhos financeiros. Assim, um fim deve ser levado a todas as práticas desumanas e vulgares que denigram a dignidade das mulheres. Esforços devem ser feitos para modificar as leis que impedem as mulheres de desfrutar plenamente de seus direitos;
– A proteção dos direitos fundamentais das crianças para crescer em um ambiente familiar, para receber nutrição, educação e apoio, são deveres da família e da sociedade. Tais deveres devem ser garantidos e protegidos para que não sejam negligenciados ou negados a qualquer criança em qualquer parte do mundo. Todas as práticas que violam a dignidade e os direitos das crianças devem ser denunciadas. É igualmente importante estar vigilante contra os perigos a que estão expostos, particularmente no mundo digital, e considerar como crime o tráfico de sua inocência e todas as violações de sua juventude;
– A protecção dos direitos dos idosos, dos fracos, dos deficientes e dos oprimidos é uma obrigação religiosa e social que deve ser garantida e defendida através de legislação rigorosa e da implementação dos acordos internacionais relevantes.
Para este fim, por cooperação mútua, a Igreja Católica e Al-Azhar anunciam e prometem transmitir este documento às autoridades, líderes influentes, pessoas de religião em todo o mundo, organizações regionais e internacionais apropriadas, organizações dentro da sociedade civil, instituições religiosas e principais pensadores. Comprometem-se ainda a dar a conhecer os princípios contidos nesta declaração em todos os níveis regionais e internacionais, enquanto solicitam que estes princípios sejam traduzidos em políticas, decisões, textos legislativos, cursos de estudo e materiais a serem distribuídos.
Al-Azhar e a Igreja Católica pedem que este documento se torne objeto de pesquisa e reflexão em todas as escolas, universidades e institutos de formação, ajudando assim a educar as novas gerações para trazer bondade e paz a outros, e ser defensores de todos os direitos. dos oprimidos e dos nossos irmãos e irmãs.
Em conclusão, nossa aspiração é que:
Esta declaração pode constituir um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, de fato entre os crentes e não-crentes, e entre todas as pessoas de boa vontade.
Esta declaração pode ser um apelo a toda consciência correta que rejeita a violência deplorável e o extremismo cego, um apelo aos que nutrem os valores de tolerância e fraternidade que são promovidos e encorajados pelas religiões.
Esta declaração pode ser uma testemunha da grandeza da fé em Deus que une corações divididos e eleva a alma humana.
Esta declaração pode ser um sinal da proximidade entre o Oriente e o Ocidente, entre o Norte e o Sul e entre todos os que acreditam que Deus nos criou para nos entendermos uns aos outros, cooperar uns com os outros e viver como irmãos que se amam.
É isso que esperamos e buscamos alcançar com o objetivo de encontrar uma paz universal que todos possam desfrutar nesta vida.
Abu Dhabi, 4 de fevereiro de 2019

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!